quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Good little girls, they never show

Tava lendo o Manual do Cafajeste hoje, e fiquei pensando, e pensando, e aí, pensei mais um pouco, e acabei confirmando o que eu já pensava antes.
Mulher é mais machista que homem, em certos aspectos.

Exige direitos iguais, mas espera que o cara pague a conta.
Exige que o cara seja romântico, mas depois de um tempo namorando, fica desleixada.
Diz que homem é preconceituoso, mas se conhece uma mulher que transa com quem tá afim, chama de galinha.

A maioria que eu conheço tem um verniz de cabeça-aberta, mas atitudes de tia-avó-solteira.
E não vou fingir que não acontece comigo. Eu também sou machista, em certos níveis.
Só me irrita certos julgamento infantis e infundados.

Me irrita mulher não poder sair sozinha, porque é piranha. Quer sair, se divertir, porque tem que esperar pela aprovação alheia?
Me irrita mulher não poder ficar sem namorado. Desde quando ter alguém é sinônimo de ter felicidade? Conheço inúmeras pessoas que seriam mais felizes sozinhas, mas que tão aí, amargando um relacionamento falido.
Me irrita mulher pensar que só é feliz com homem.
Me irrita o papel de vítima, o de sexo frágil. Tu queres reconhecimento, mas ainda queres que te tratem diferente, com mais cuidado? Não tem algo de errado na estruturação desse pensamento?

No começo do século passado, mulher com mais de 20 anos solteira era vergonha. Na metade do século, mulher desquitada era o fim (E nem tão passado assim. Quando a minha mãe resolveu se separar do meu pai, no começo dos anos 90, a amiga mais próxima dela se afastou, porque 'o-que-poderiam-pensar-de-uma-mãe-solteira'?). Agora, depois da tão 'sonhada', comentada, quista e endeusada revolução sexual, mulher que dá pra quem quer é puta.

Novamente, tenho flashes de sangue, cutelos e membros despedaçados.

Também não vou ser hipócrita e dizer que tudo é culpa das calcinhas.
Não, o mundo em si ainda é machista, ainda tem-se a visão dos machos dominantes, que têm que ser os provedores da casa, e as mulheres submissas, que passam, lavam, cozinham e esperam o bem-amado com uma taça de Martiní na mão.
Mulheres ainda ganham menos, seu trabalho ainda é menos reconhecido e elas ainda têm que batalhar mais pra se sobressair.
Isso é fato.
Mas é fato também que muita gente tá muito acomodado no papel de eterno reclamante, 'ai-como-eu-sofro...'!

É aquele velho e batidíssimo papo: a mudança começa pelo interno.
Só quando parármos de julgar umas as outras, vamos ter direito de exigir mais coisas iguais.
Enquanto ainda chamares aquela loira-com-calça-da-Gang-e-salto-acrílico de puta, vais tá caindo no mesmo papel-lugar de milhares de anos, repetindo as mesmas desculpas, prolongando os m e s m o s lamentos.

Acho que o mais me irrita é a gente ficar esperando flores sempre. Às vezes, custa sair e plantar logo a droga do jardim, pombas?

Um comentário:

Cyntia Taborda ") disse...

Eiiiee!
passando pra "divulgar" meu blog ;)
iniciante sabee?!hehehe

ta lindoo akii *.*
Adoreii!

Da uma força la? :D
Beijoo