quarta-feira, 16 de junho de 2010

I want to be seen with a fresh pair of eyes

Há muito tempo a minha mente anda meio bagunçada.
É como se um tornado tivesse passado por ela: levou tudo, e quando terminou, as coisas caíram todas desordenadas. Praticamente uma chuva de sapos.
Eu tô andando na ponta dos pés, meio que empurrando alguns trecos, meio que cavando buracos pra achar coisas.
Mas já deixei pra lá a tentativa de arrumação. O local nunca fui digno de nota pela sua classificação metódica mesmo.
Só o que me dá trabalho procurar uma idéia, da qual eu tinha uma vaga lembrança de estar em determinada reentrância, chegar lá e... E ! Sumiu!!
Fico igual quando quero lembrar uma palavra que tá na ponta da língua e não sai.
E é tão engraçado que chega a ser poético, porque na maioria do tempo, eu tenho problemas em lembrar o meu próprio nome, então depois de um tornado, eu simplesmente espero mudar isso?
Mas de repente, eu tô sentada, olhando a esmo e vejo algo que me lembra um anel que eu tinha, grande, quadrado e cheio de listras coloridas. E me pego perguntando aonde diabos ele pode ter ido parar, sabendo que eu não vou lembrar nem que a minha vida dependa disso, mas sendo capaz de descrever até como os meus dedos sentiam a superfície do anel.
A mente é algo engraçado, completamente Lynchiana, daltônica, desorganizada e problemas com autoridade. Pelo menos a minha é. Daí os meu sonhos em que eu sou eu em outra pessoa, ou com aniversários perdidos que ainda não passaram.
Às vezes eu acho que vou surtar. Noutras eu simplesmente tenho certeza.
Vou esperar outro tornado passar. Vai que melhora?

10 comentários:

Troll disse...

Acho que surtar, nem que seja só às vezes e só um pouquinho, é também necessário, sabia? Me pego pensando as coisas mais absurdas, pq preciso não pensar em tantas outras, menos absurdas mas MUITO mais incômodas.

Os tornados às vezes são só um sopro: quando os pensamentos estão leves demais. E às vezes são vendavais horrendos que arrancam até o já enraizado na mente.

Vale pensar: no quê vc anda pensando? *rs* Meta-linguagem da mais interessante.

Nucifera disse...

a gente surta, e magicamente as coisas parecem não voltar pro lugar. mas de alguma forma, o surto já coloca td no lugar. Não seria o lugar exatos dos sentimentos e dos pensamentos ficar bagunçados e perdidos sem que as vezes (quase sempre)possam ser achados?

Ivan disse...

You're not alone in this world, doll.

:)

Beijinho.

Ivan.

Guilherme Franco disse...

... eu conheço essa superfície.
Mudar, não vai, mas melhorar vai...
(e isso não é pra te dar esperança, porque ela não melhoraria...)

Maldito disse...

A vida é um circulo infinita, ja passei muitas vezes por fases asim,..Quando tudo está muito ruim, é pq esta perto de melhorar!

Flávia disse...

Melhora sim, Tay. Tô ficando craque em atravessar tornados. Às vezes a gente deixa perde um pedacinho aqui, mas recupera outro ali e percebe que até encaixa melhor que aquele que a gente deixou pra trás em uma tempestade passada. É assim que que vamos nos compondo, nos recompondo, nos conhecendo, nos reconhecendo. Só assim.

Saudadeeeee!!

Beijos :)

Fabio Fernandes disse...

Acho que se vc surtar ou não, não vai mudar nada... Ultimamente, infelizmente, tenho tido que pensar muito numa máxima que meu pai insistia em repetir:

"O quê não se pode remediar, remediado está."

Se não tem solução ao seu alcance, despreocupe-se. Agora se tem, bota a caxola pra queimar e vamo que vamo...

Bjokas, e força ae.

Salete Maria disse...

Legal seu blog...adorei!

Se quiser, dá uma visitadinha no meu www.cordelirando.blogspot.com

abraços

Sargento Peixoto - O Monge disse...

Na dúvida e na ausência climática de um tornado sempre pode-se usar o fogo.

Tava com saudade de ler coisas aqui, beijos Tay, abraço grande

Aquino disse...

O bom dos tornados é que nos dá a possibilidade de reorganizar tudo!