quarta-feira, 19 de agosto de 2009

É com as mãos

Cada pessoa se atem a um determinado número de coisas pequenas e insignificantes. E nem digo detalhes marcantes, ou aquelas particularidades que cada um de nós odeia amar.
Eu digo coisas mesquinhas e pequenas.
E por mais que todo mundo diga que não, sempre tem um pouco de poeira em cima de cada blusa.
Não é questão de falha de caráter, ao meu ver. E sim de singularidade da raça humana. Sim, temos falhas, pra que negá-las? Agora o que tu fazes com essas singularidades.. Bom, aí eu já não posso deixar de meter caráter no meio.
Eu poderia escrever um texto imenso cheio de ataques, e tu nem perceberias, porque as pessoas teimam em não ler o que não escrevemos. As linhas que não preencho, as letras que não teclo, e há nelas todo um significado oculto, que não é preciso ser muito inteligente pra enteder, basta ser perspicaz para observar.
Então, tu te atens a uma série de 'a', 'o', 't', 'b', que se fores perceber, separados, não fazem sentido algum.
Mas escrever um texto, imenso ou não, cheio ou não, não me satisfaz, porque isso é pouco.
E isso é tão pequeno diante do tamanho do que há por aí, que me sinto entediada só de pensar nisso.
E nem me impressiona o fato de te ateres à esse pouco. Ruim pra ti, não é mesmo?
Enquanto te ateres somente ao que dito ou escrito, nunca vais ver o quadro maior.
O quadro do 'não me importa'. E esse, não te enganes, é muito importante. Pouco me importa.
Eu até me estresso, mas no final, acabo só rindo. Porque, vamos lá?, é muito engraçado.
Se tu fores perceber, às vezes tu te bates por cada absurdo, cada insensatez, que por favor...
E se tu fores párar pra pensar, que bem isso te faz, além do pretenso 'alívio'?
Que diferança faz?
Ainda com tudo isso, ou mesmo com tudo isso, eu tenho certeza de que ainda não vais entender.
Não espere que eu dê tanta atenção, ou ainda, alguma atenção pra isso. Não. Eu não dou.
Então, porque não perceber o que eu estou deixando de dizer?
Vai por mim, é bem mais interessante...
Só não garanto que vais gostar.

15 comentários:

Paulinha* disse...

Com certeza absoluta, todo mundo tem algumas letras que não tecla.as vezes é até melhor.beijos

Menina Misteriosa disse...

É complicado isso... às vezes, a pessoa nem presta atenção no que dizemos... quanto mais no que deixamos de dizer. E também me pergunto se queremos realmente que o outro saiba...
(fiz muita confusão?)

Beijos

Paloma Flores disse...

Ouch!
Não sei rpa quem era, mas deve ter doído.

Extase disse...

eu mais que todos entendo teu texto

Altavolt disse...

Dizer não dizendo é com certeza uma arte Taynar. Estressar com pouca coisa também é bobagem, mas a gente só sabe dimensionar o que é "pouca coisa" com a experiência. Com o passar dos anos, aquilo que tinha tanta importância vai ficando do tamanho que realmente é. Muito bom o seu post, menina! Beijão!

Sisa disse...

Ultimamente tou numas de não dizer coisas que, se ditas, renderiam o que não quero. Me contento em guardar pra mim aquilo, rir sozinha da resposta imaginária e deixar quem quer viver só com palavras ouvir o que gosta e o que quer. As pessoas não lêem as entrelinhas, e depois ainda pensam coisas foram omitidas. Mal sabem elas que estava tudo ali, elas que não souberam ou quiseram ouvir.

Extase disse...

textes seriao facilmente musicados.

Emerson Souza disse...

O pior na minha opnião, não é o que dizemos ou o que deixamos de dizer, e sim o que não ouvimos ou o que deixaram de nos falar.

Anna Bueno disse...

Costumo dizer que eu nunca quero dizer nada, eu sempre digo com todas as letras e todas muito bem aglutinadas. Não gosto de deixar nada no ar, odeio mal entendidos...
Bjos!!!

Anna Bueno disse...

Costumo dizer que eu nunca quero dizer nada, eu sempre digo com todas as letras e todas muito bem aglutinadas. Não gosto de deixar nada no ar, odeio mal entendidos...
Bjos!!!

Anna Bueno disse...

Costumo dizer que eu nunca quero dizer nada, eu sempre digo com todas as letras e todas muito bem aglutinadas. Não gosto de deixar nada no ar, odeio mal entendidos...
Bjos!!!

Lekkerding. disse...

O silêncio por vezes é ensurdecedor, e enlouquece. Por isso, muitas vezes, escolhemos ignorá-lo. É no silêncio que encontramos as verdades cruas e dolorosas, sem nenhuma máscara de suavidade, sem amparo, sem nada. Só a verdade. E sempre cabe aquela pergunta: você quer a verdade ou quer a felicidade? Os dois não sobrevivem juntos. Ficamos com o barulho feliz do dito, e o silêncio verdadeiro vai varrido para baixo do tapete da ignorância.

Cogumela =) disse...

"Se eu for não vou pra perto" (8)_Ludov_

O fato é que as pessoas são más e eproveitam-se dos desarmados para ferí-los.

O.o e olha que sou otimista! =)

Fabio Fernandes disse...

Às vezes o quê queremos realmente dizer não precisa ser dito, pode ser lido sem letras, visto no escuro... Ou então se vc disser pode não ser ouvida, ou se ouvida pode não ser interpretada como gostaria.

Bjokas.

Sinceras e Apimentadas disse...

Como é complicado quando o que falamos é interpretado da forma mais errada que poderia ser.
Obrigada pela visita no nosso blog Taynar, volte sempre.

Beeijinhos,
Nane