domingo, 29 de março de 2009

As sobras de tudo que chamam lar

Nunca tinha se sentido tão fora de casa. E a ironia maior de todas era estar no local que por muito tempo chamou de lar.
Era engraçado como as coisas mudavam. Assim, de uma hora pra outra. E agora nada se encaixava, muito menos ela. Iria rir disso mais tarde. Não agora.
Olhou pra sala. Pensou em levar os cds. Aquelas músicas que embalaram tantas noites regadas à vinhos e olhares apaixonados, que eram colocadas e exigiam atenção. Ou ainda as discussões. Desistiu.
Pensou em levar os livros, como deixá-los? Mas o que fazer com as pétalas das flores mortas que tinha ganhado, e que estavam imortalizadas naquelas folhas? E aquelas frases que tanto foram repetidas um para o outro? Eles ficariam.
Fotos? Já não haviam. E mesmo que houvessem, já haviam memórias suficientes para encher vários quadros. Quer se quisesse, quer não.
Passou pela cozinha e seu cheiro de ervas e madeira, tão familiar, tão de outra era, que doeu.
Olhou a banqueta do banheiro, com suas escovas de duas cores, aquele gel de barba que era o único que não causava alergia, e o shampoo especial, que sempre causava briga pelo preço. O espelhinho de maquiagem com respingos de espuma de barbear, a colônia com a tampa do lado, a escova com fios de uma cor diferente. Nada dali.
Chegou na porta do quarto. Parou. Haveria algo ali que gostaria de colocar numa caixa, que já não estivesse consigo, no peito? Haveria uma razão para entrar ali?
Nunca concordou tanto com Cartola ou Chico.
Daquele amor, ela levaria só o cinismo, e com a leve impressão de que já ia tarde.

* As músicas são a melhor coisa do post ;)

13 comentários:

Sisa disse...

Conheço uma mulher que sente uma tristeza no peito quando ouve esta do Chico. É que antes de se conhecerem, o marido dela gostou muito de uma moça, que meteu um pnb dele. E ele conta que ficou muito tempo ouvindo essa música no repeat e chorando. Um tempo depois conheceu aquela com quem casou e estão juntos faz quase 10 anos. E ela diz que ouve esta música e sente a tristeza dele nessa época. E fica triste também pelo sofrimento de alguém que ela nem conhecia, mas que ama com seu presente e passado. Daí que escuto essa música e lembro deles. Beijo.

Srtª Elis: disse...

adoro este tipo de texto..a gente se ve na situação ..casa vasos quarto... xeruim flor!

Viviane de Campos disse...

e qdo não tem nem coragem de entrar na casa de novo??
aí é pior

Juliana* disse...

Menina...
amei seu blog, vou acompanhar...e este post?...me emocionou (porque sou assim...).
Aaah, o importante é ser feliz!

beijos

Mirna disse...

Amei, chega mne deu um arrepio.

Paulinha* disse...

"Daquele amor, ela levaria só o cinismo, e com a leve impressão de que já ia tarde."
COM CERTEZA!!

taynar,deixei um meme pra vc no meu blog...ve lá ;D
beijos

Jhennifer Cavassola disse...

Sem palavras, que belissimo texto! Profundo!

Selo pra ti no meu blog.
Beijos

Cogumela =) disse...

"Já que tudo que eu podia eu fiz
meu amor
foi bom tentar
foi por um triz" (Melancolia_Ludov)

Post melancólico não menos belo que todos...

Pensava esses dias e discutia com alguém: muitas vezes as coisas não mudaram, nós que mudamos sem perceber. Assim como os ponteiros do relógio mudam a cada segundo. Um lado mexe-se sem parar enquanto o outro permance sem deslocamento.

O.o (viagei?!)

beijos

LIGENCIA disse...

rapaz, valeu a pena te conhecer, só pelos poucos dias em que estive ao teu lado, depois de ver os teus dotes blogueiros, me conquistaste de vez...
grande beijos já com muitas saudades...
lígia

Anna Bueno disse...

Tay,
Hoje estou especialmente triste pq meu ex-marido veio trazer filha com a atual e sua família no carro.
Ainda dói....
Bjos!

Sargento Peixoto - O Monge disse...

Querida, embora eu saiba que estarei assustando-a ao retornar...

Como bom moço que sou retornei a meu lugar devido, onde a casa cai e eu chuto a porra do pau da barraca mesmo.

Eu tenho uma teoria simples... Depois da minha vida praticamente nômade durante este tempo corrido...

Casa é onde o coração está... Se ele não está em lugar nenhum (Como o meu)... Tente parar no meio do luga que chama de lar e gritar para as paredes, não vai mudar nada, mas ajuda a repor as energias... Já que estragaram o que servia antes para este propósito...

By the way sweetheart... I'm officially back on the writting business, expect great things on my dark room again.

Anônimo disse...

AIIIIIII
PRECISA MORAR ALEM-MAR?

DA PRA APRENDER A TE AMAR POR ESTAS LINHAS................

Fernando Ramos disse...

Em muitas vezes, levar as coisas em uma caixa ou guardá-las no mesmo local, só servem pra eternizar saudades, dor e nostalgia. Até que um dia passe e vire alegria. Mas isso só se você estiver bem resolvido afetivamente.

Do contrário, é como diz naquele velho pagodinho, que revirando as gavetas, ele reencontrou uma foto de um ex-amor e, em delírio, acreditava que a estaria amando novamente...

"Haveria algo ali que gostaria de colocar numa caixa, que já não estivesse consigo, no peito?"

A mais pura verdade.

Beijocas, Tay.