terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Que atraem os meus instintos mais sacanas...

A gente não tem muitas certezas na vida.
Sabe que acordará um punhado de dias. Que vai ter fome, sede, sono. Sabe que coisas ruins vão acontecer, e que também haverão muitas coisas boas. E que, por fim, as coisas se vão. De algumas coisas a gente tem certeza, tanto quanto dias amanhecem e o sol se põe. São as coisas que não precisamos levar na fé, elas simplesmente existem por si só.
Algumas certezas são racionais. Se caires, vai doer. Se não te esforçares, vais falhar no trabalho. Essas são pautadas por uma série de fatores, que não podem ser questionados. A gente apenas sabe que vai acontecer e não tem como evitar.
Mas existem aquelas que não se pautam por racionalidade nenhuma. Não há fundamento, não há experimentos científicos ou empíricos que te comprovem tal coisa. Mas, contra todas as evidências paupáveis, tu tens certeza do desconfiável.
Tens certeza daquele caminho, daquela visão.
Tu sabes que certas coisas simplesmente funcionariam, se o caminho fosse de um jeito.
Se tua vida tivesse ido por esse lado, seguido essa direção, tu terias tudo e serias feliz. E se houvesse uma rotatória, que te fizesse voltar pr'aquele lugar, tu simplesmente daria de cara com a tua casa. Ou da casa que viria ser a tua casa. Tu farias dali o teu lugar e seria o certo.
Não que tu sejas infeliz agora. Claro que não. Há muitos caminhos que levam à felicidade, não só um, ao contrário do que muita gente acha (se as pessoas tentassem tirar os óculos de Oz que parecem ter colado na cara...). Como há vários caminhos que são tortuosos. 
Se tu tivesses deixado de ir à aquele bar, ou ficado naquela boate, ou não tivesse entrado naquele site, tudo seria diferente do que é agora. Completamente diferente. 
Tu simplesmente tem certeza de certas coisas. De que o caminho seria o certo, que serias completamente feliz e que tudo daria certo. Tu consegues enxergar, quase tocar tudo isso. Mas não deu. E não ficas triste por isso, não. Tu podes ter vários caminhos, quantos tu te permitires. O futuro se faz conforme vamos caminhando e decidindo o nosso presente.
Pode ter surgido uma bifurcação, que te levou pro outro lado, e que fez da tua vida uma outra coisa, te deu uma outra, talvez maior, felicidade. Mas ainda assim, és capaz de visualizar esse outro caminho, e ter certeza de que, se a tua escolha tivesse sido diferente, se tivesses entrado na primeira porta, ao invés de seguir pra segunda, tu terias aquilo tudo. Não te faltaria nada, e não sentirias falta do agora. Nem de hoje.
E não estou questionando e nem falando do eterno 'Se' que pauta muitas vidas, e muito menos questionando os caminhos. Nada disso. O que é É, o que se escolhe é isso. Eterno retorno, pessoas. Ficar feliz por ter acontecido, sabe? Chega de questionar o passado, querer uma segunda chance pra uma coisa que não vai acontecer de novo, por favor. Eu não estou falando nada disso.
Me refiro aquela certeza que tens que tudo daria certo e não olharias pra trás. Da certeza que te permite, finalmente, deixar as coisas. Entender que tu poderias ser feliz de um jeito, se assim quisesses. Escolheste o outro jeito e és muito feliz assim. Saber disso te deixa livre.
Culpa das vassouras. Entendi porquê eu lembrei tanto delas esses últimos dias, e porquê eu tava ficando tão incomodada, com uma vontade imensa de esperar e ver a vassoura ficar velha, porque era isso o que queria.
Mas também serviu pra eu entender as minhas certezas. E pela primeira vez, eu posso dizer que entendi um certo senso comum, finalmente. Pela primeira vez, eu posso dizer que entendo e concordo com certas coisas. E acreditem, é a primeira vez mesmo. Eu fico feliz por certas coisas terem acontecido. Porquê agora eu tenho certeza. 
Então, a vassoura ficou nova e não me incomoda mais. Tá. Talvez só um pouquinho. Mas é aquele incômodo que te move pra frente, então é algo bom. Muito bom.
Segundo a Mirna, talvez eu tenha enxergado a tal da luz. Mas eu não chegaria à tanto. Afinal, nunca se sabe o que um avião pode fazer na tua vida...
De algumas coisas a gente tem certeza. É só assim.

* Pra ler ouvindo isso, pessoas. Só pra entrar no clima ;)

14 comentários:

Flávia disse...

Mais uma vez, parece que vc escreveu pra mim. E é estranho, eu não consigo ser egoísta quando venho aqui e não me inserir nos teus contextos. Mas parece, viu? Parece. Eu anda não tenho certeza de muita coisa, mas acho que tô caminhando nessa direção. A certeza que tenho é a de que mereço ser feliz e mais que merecer, eu QUERO e POSSO.

Um beijo!

MELISSA S disse...

É. O mais importante é conviver bem com as possibilidades de felicidade deixadas pra trás. Ter noção do pq das escolhas atuais... Isso é análise de vida. Vc chama de senso comum, mas a maioria não faz. A maioria só se lamenta. Perceber os "se"s é importante. Conviver com eles tb... Beijos, mulé

Aline T.H. disse...

Eu vejo que cada bifurcação nos nossos caminhos são pra que nós sempre saibamos que, caso tenhamos escolhido a "menos feliz", prestemos mais atenção na próxima. Mesmo tendo bifurcações e portas nº 1, 2 ou 3, acho que é fácil culpar o que não foi. E só discordo de ti quando diz que "sabe" que o outro caminho pode ser visualizado - não pode. A gente sempre erra na visualização.
Eu não sei se é muito meu isso, mas eu fico feliz e indignada com o que escolhi, porque a culpa é só minha. E nunca paro de querer mais, querer tudo, querer. Posso ser feliz com o que escolhi, mas ainda quero mais e não vou sentar e seguir pelo caminho de bicicleta, não: eu quero é jato, pra chegar na próxima bifurcação.

Enfim, eu viajei mas você deve me entender. Ou não, sei lá, rs.

Beijocas.

luh...=) disse...

ameii o texto..
e sei do como é issoo..
bjusss..
=)

Sisa disse...

Taynar, eu já escrevi mais ou menos sobre isso também. Os "se" que se a gente deixar, engolem a gente. São milhões de oportunidades "perdidas", mas o que acontece é que muitas vezes a gente mergulha no não vivido e esquece que a cada escolha que a gente faz, mais milhões de oportunidades se abrem. Quando a gente vive demais as passadas, vive de menos as futuras, né?
Bjo.

Homem do Cafezinho disse...

Querida, como sempre, parece-me que suas palavras escorreram pelo teclado da forma mais pura e sinfônica possível!!!

Sempre me fiz acreditar que o "SE" não existe, o que existe são apenas as escolhas que já fizemos, os outros caminhos, deixamos para trás e lá é o lugar deles, é lá que eles devem ficar.....

Muitos beijos, e sorte pra você nesse ano!!!

BelaCavalcanti disse...

"Se tua vida tivesse ido por esse lado, seguido essa direção, tu terias tudo e serias feliz." :)

Elliot escreveu um dos mai lindos de seus trabalhos sobre isso, "The Four Quartets",depois Frost com o famoso "Two Roads", dái em diante ja foram tantos poetas que ja se perdeu as contas... mas o insight é o mesmo: Se tua vida tivesse ido por esse lado...

Hecton P.Domingos disse...

O que não seria de nós sem esse "Se", "talvez","será" etc...eles podem até ser um impasse em realidade e sonho, contudo sempre estará ao nosso lado, dando dicas ou nos fazendo morrer com as possibilidades....

Adorei o texto...


Um Forte Abraço.

Ruberto Palazo disse...

Viver o agora sem "ses" é um desafio e tanto, mas se conseguir se torna unico e maravilhoso...

Agora nao entendi pq o avião mudou sua vida, afinal vc fala tanto de vassoura que tinha certeza que vc tinha voado em uma........=P

Hehehehehehe....

Beijooooo!

*K-rol* disse...

Selinho e tarefa para você!
Pega lá no meu blog!
Beijo!
Boa semana!

Zunnnn disse...

é verdade...
as vezes é bom ter a certeza, a certeza que era assim e foi assim, ou é assim.

quanto à novas chances...
Sempre aparecem...

"Tudo muda o tempo todo no mundo...
A vida vem em ondas como mar... No indo e vindo infinito." L.S

Miss Marple disse...

A gente não tem certeza de quase nd. Por isso escrevemos.

Beijocas.

Lyn Monroe disse...

Belissimo texto,q nos faz pensar, se bem q vc sempre faz isso comigo.
Acho q escolhemos o melhor caminho de acordo com o possivel naquele momento, se ele é o acertado e nos vai fazer feliz acredito q em grande parte depende de nos mesmo.
E nao devemos ficar pensando tanto nos se, mas conviver com nossas escolhas.
e as vezes nos entregarmos ao risco.
como ta tudo por ai? espero q bem.
Beijo gde p vc!

Mirna disse...

se nós tivéssemos entrado no Biruta.
se o bryeno nao tivesse me apresentado o novo melhor amigo dele...

coisas q tornariam bo parte de 2008 diferentes...


será?