segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Não quero ver quem tem razão

O despertador tocou a primeira vez. Só mais um pouco. Ela despertou uma hora depois. Só mais um pouco. Mais meia hora. Um pouco mais.
Levantou duas horas depois, pensando que, Droga!, estava atrasada, e que pior ainda, ela devia ter levantado quando o alarme soou "Not just anybody...". Algo lhe disse que seria um dia confortably numb, e que ela ficaria com peso na suposta consciência, por não ter levantado antes.
Teria muitas coisas pra fazer, mas o dia teria que ter minutos à mais e pensamentos de menos pra que ela conseguisse fazer tudo. Qualquer hora ela tinha certeza de que veria um coelho correndo com um relógio, berrando que era 'Tarde! Tão tarde até que arde!', e ela sairia, desesperada, correndo atrás dele, tentando alcançá-lo, mesmo que para isso, acabasse chegando no país da Rainha de Copas, sendo pequenina para naufragar numa xícara, ou grande demais para passar pelo buraco da fechadura. Será que seria convidada para um chá?
Prova. Français. Elle n'a sait pas rien. Grande coisa.
Trabalho, mais cedo. A falta de computador.
Avó. Consulta.
É, consulta. Vamos lá. Achou o consultório. Elevador. Décimo segundo andar. Coisas de consultório. Revista velha, atendente com cara de parede, espera dos infernos! Tentou estudar, mas en éffet do entorpecimento, as palavras passaram pelos olhos tão rápido que ela não sabia mais nem o que eram.
Um pedido, e ela teve que ir ao décimo terceiro andar. Resolveu ir de escada, ela não estava com pressa, essa hora já não faria muita diferença. A janela passaria despercebida, se ela não estivesse procurando um lugar pra olhar o seu reflexo.
Não deu pro reflexo, mas sim pra uns prédios sujos, rua movimentada, e gente que, com certeza, tinha mais pressa do que ela. Aquele ponto conhecido, onde nada é estranho.
De repente, sentiu-se em pé em cima da mesa, só pra olhar a sala de aula com uma outra perspectiva. E mesmo olhando as mesmas coisas, viu coisas diferentes, em dimensões maiores, ou tão irrisórias que não deu pra não rir. Como um balão suspenso, ela imaginou como parecia a sua imagem, vista de cima da mesa. Tão grande, tão pequena.
Decidiu subir em mesas mais constantemente. Ou então entrar na floresta, não para viver eternamente, mas para quando morrer, não descobrir que não tinha vivido.
Se a visão não fosse boa, bastava pular da mesa, ou sair correndo da floresta, atrás do tal coelho.
Voltou e terminou finalmente o Legado da Família Winshaw.
E a prova?
Com isso ela achava que não ia ter muita sorte, não...

* Update: Talvez esse blog ganhe uma segunda pessoa, excelente, diga-se de passagem. Se a Mirna aceitar a proposta. Não prometo milhões, mas alguns shots de Cuervo e fugas espetaculares. Topas?

43 comentários:

Sargento Peixoto - O Monge disse...

"Olhe nos meus olhos e veja como eu a vejo, veja como deve ser, como a realidade pede... Não não gostar, apenas me mude de lugar."

Beijos,
Uma ótima tarde para você.

Só cuidado com a toca do coelho.
As vezes o chá é de cogumelo.
E o país das maravilhas era só uma viagem na aba do chapéu.

Embora olhando pelo buiraco da fechadura as vezes possamos ver coisas fantásticas que vistas pelos olhos certos ficam ainda melhores.

Mas até lá fico sonhando na minha estática animação suspensa com minha imaginação fazendo meu próprio mundo feliz.

Sargento Peixoto - O Monge disse...

É como eu disse, dia estranho segundas-feiras são dias bizarros, é como se o mundo fechasse e o cérebro criasse um bloqueio de forma a fazer o dia passar mais rápido...

Hoje parece que o nevoeiro está em volta da minha cabeça confundindo minha visão e minha mente pregando peças me faz ver coisas...

A mente está em um lugar distante, com poucas âncoras prendendo-a no chão, poucos sentimentos se mostrando hoje, um deles é saudade, como foi seu fim de semana?

Sargento Peixoto - O Monge disse...

Algo meio Silent Hill, é como se a névoa apenas escondesse meus demônios e um chiado no meu rádio não me deixasse dormir.

Não me deixasse ficar quieto, mantendo o corpo alerta como se fosse vir algo de algum lugar a qualquer momento.

Eu não consigo pensar em um lugar, não um onde eu realmente possa ir... Eu queria estar em um terraço, sentado no chão mesmo sob a chuva, ouvindo a água cair, os pensamentos mesmo que distantes ainda se concentram em algo aqui e ali, hoje eu não queria ler, mas queria tempo para continuar lendo meu livro, o terror noir como classificaram têm como eu disse, início e fim, eu tenho tantos meios quanto se podem haver, tantos personagens...

Sabe, a idéia que eu tive de ser matéria para a jornalista ficou muito legal.

Meu fim de semana foi ótimo, passei com meu filho, ele me faz sorrir como pouca gente consegue. Fiquei em casa apenas, mas foi bom.

Sargento Peixoto - O Monge disse...

continuar lendo é continuar escrevendo, fica bizarro quando pensamos algo e escrevemos algo... Maldita névoa.

Sargento Peixoto - O Monge disse...

Ou derrepente estamos num filme bom em preto e branco, estilo Sin City, onde não há heróis, nem donzelas em perigo.

Algo real, com gente real, em situações reais.

Passando como aquelas gravações em "Super 8" com falhas e cada falha dessas sendo onde nós teríamos a grande saída.

Mas hoje eu não quero saída, hoje eu quero meu sonho Noir apenas na minha cabeça, dividindo com minha "Donzela-nem-tão-em-perigo-assim" tirando pelo perigo de perder a sanidade, quiçá o dia, que pode passar sem nem sentir.

Sargento Peixoto - O Monge disse...

Nada que esforço, uma piada inútil, o olhar certo e uma serra-elétrica não possam resolver.

Hoje eu com cara de poucos amigos no trabalho disse que tava meio bolado, um colega disse que tudo tinha solução tirando a morte, eu disse que a morte tinha sim, me dá uma serra, 5 minutos e indulgência judicial que eu mostro como a gente resolve o problema de falta de mortes rapidinho.

O dia cinza bem que combina com vermelho.

Sargento Peixoto - O Monge disse...

Pode ficar com a cimitarra, deixa as ferramentas pesadas pro Marv aqui...

Eu vou-me espero te encontrar mais tarde, beijos.

Aline T.H. disse...

Tem dias em que o coelho é mais malvado que a própria Rainha de Copas...

Beijos, chérie.

MELISSA S disse...

É vulga Alice, pode ser tédio, pode ser alegria... em consultório, supermercado, na praia, na fila... mas independente do q se sente, do lugar e de como se vive, eis que o coelho maldito, junto com Cazuza, é o dono da razão: o tempo não para...

ândria Halfen, disse...

adoreiiiiiii teu blog =)

Zunnnn disse...

rs.. tambem acho que nao vou ter muita sorte nao.. com a prova de daqui a pouco..

mas.. vou tentar.

abraço

Conde Vlad Drakuléa disse...

Passo para te deixar montes de beijos, pois ao ler vosso comentário no blog da girafa cogumela me deu um ataque de saudade de ti!
BEIJOS moça, porque tu mereçes!!!!
Voei!

Conde Vlad Drakuléa disse...

P.S. Também não quero ver quem tem razão... Adorei o post, bravo!!!!

Zunnnn disse...

ow sua doida..
rs
faltou?
nao pode!
rs
morra com dignidade!!! (já sei, dessa eu ainda ouço uma lapada sua..)
mas o que vc acha...
de um cara que sabe o minimo de algo pra prova e que vai fazer uma prova... ORAl. e sabendo disso?
olhar pra cara do professor e falar...
"deixa eu pensar..." rs
parece idiota?

abraço

A Senhora disse...

Enquanto leio, estou contando os minutos que tenho para fazer uma prova. Não estudei nada, para variar... Agora, se fosse prova de francês, muito menos! Mas faria. Mau humor ajuda muito nessas horas, sei lá porque.

Boa semana, menina.

Sara disse...

Oi, Moça.
Nossa eu adoro vir aqui. Seus textos são muito bons.
Recepcionista com cara de parede foi mto bom...rs

bjo

Não Somos Apenas Rostinhos Bonitos disse...

Texto beeeem bacana!
Beijocas

MELISSA S disse...

O q vem pela frente?? Ah, isso é tema pro próximo post... Mas adfianto q o caminho vai ser diferente do que as pessoas imaginam rs Beijos!!!

Tatah Marley's Confissões disse...

é sempre bom termos uma nova perspectiva sobre as situações!
x)
Adorei o texto!
beijinhos
e estou ansiosa pra ler algo escrito pela 'nova pessoa'.
:)

Flávia disse...

NEM ME FALE EM PROVA.

Tenho 1356978 delas pra fazer no fim do ano. Pergunta se estou preparada?

Não. Não pergunte.

Beijos, girl.

Murillo Leal Humorista disse...

Gostei do blog!

incentiva até o final a leitura!

murilloleal.blogspot.com

Murillo Leal Humorista disse...

Primeiramente,Obrigado pela visita!
Explicando então,Eu não estou falando mal da classe,por que estou nessa classe.

apenas uma crítica,sobre esses programas que passam por ai,e como comediante,eu usei o tom de ironia e Humor para satiriza-lo.
afinal de contas,isso é uma comédia,propriamente dita!
tambem ,não tiro a parcela de culpa das pessoa que assitem essas porcarias,veja o exemplo do Big Brother, é um dos programas com maior audiencia da tv,e é um lixo televisionado,não há transmissão de cultura sadia!

mas Obrigado por expressar seu pensamento!

murilloleal.blogspot.com

Sargento Peixoto - O Monge disse...

Têm mais sangue nas paredes, acrescentei pequenos detalhes ao texto de ontem e dei a continuação, hoje a noite se vier eu te dou mais prévias da história.

Sargento Peixoto - O Monge disse...

Eu acho legal que caso você consiga visualizar a cena você passa por dezenas de filmes, terror, noir, aventura, de anti-heróis, dezenas de coisas.

Hoje a noite têm mais "preview" caso você possa vir, se não, continuamos amanhã com o conto.

Hoje é terça, a tendência daqui até domingo é melhorar.

Sargento Peixoto - O Monge disse...

Já começou bem, ontem maior sorte em te encontrar.

Nunca ouvi falar em nada parecido, eu aceito explicações sobre os assuntos supracitados no seu comentário.
Círio e Maniçoba prenderam minha curiosidade.

Sargento Peixoto - O Monge disse...

Eu acho que consigo cozinhar aquilo, só num sou muito feliz com muídos, pra te ser sincero odeio feijão também e coisas assim, acho que sou carioca demais, ao ver a cerveja e o churrasco meus olhos brilham demais.

Mas parece bom, pra quem gosta de coisas diferentes.

Nota: Estou impressionado com seu conhecimento religioso, o meu se limita a bíblia e outros livros dado como sacros que eu li apenas para ter argumentos para reclamar com protestantes exagerados. Fora relatos sobre religioões aleatórias do multiverso. Hoje em dia eu venero apenas coisas comuns e materialistas. Como maçanetas e fechaduras.

Sargento Peixoto - O Monge disse...

Eu também dou valor a encostos de porta, saleiros, porta copos, o M do McDonald's.

Acho que se eu passasse 14 anos estudando para padre, Satã tinha vindo a Terra e dito: "Larga porra, esse é meu. Desiste!"

Quanto a comparação era comparação com a feijoada mesmo, por levar muitos muídos, mas derrepente se fizer sem orelhas, patas, narizes, pescoços deve ficar melhor ao meu paladar.

Sargento Peixoto - O Monge disse...

Acho que o gênio do Chamito dava um pau nele fácil. Porque teria ajuda de lactobacilos vivos.

Eu sairia exorcisado ou morto.

Ahhhh então eu posso fazer as carnes assadas na panela de pressão com arroz de brócolis que você come do mesmo jeito!! huahuahuahua, ganhei uma idéia e mais um prato para fazer pra tu.


vou pra casa agora, beijos, até mais tarde.

Nem Li disse...

Por "shots de cuervo" até eu escrevo!

HAUiahiU

Ana Paula disse...

Móça, eu já disse que gosto muito do jeito que vc escreve? Muito bacana... Simples e despretensioso, como um texto deve ser... Só pode ser coisa de jornalistas! ;-)

Beijos!

PS: E a prova, como foi?

PS2: Acho que vai dar para liberar o acesso ao site, sim, depois te conto!

Lyn Monroe disse...

Q lindo texto! nem pense em deletar esse blog, ok?
ideia q nao te pertence! rs
olha, se quiser contar mesmo a vez, tem o meu email la no blog, aproveita, e me add no msn se quiser!
Beijos!

Troll disse...

Excelente post!

Afinal, todos temos a chance de viver um pouco mais, de nos tornamos melhores e maiores, com nossos impulsos. Pior deve ser jamais arriscar nada.

canseidexuxu disse...

Hum, subir em mesas ajuda muita gente. Não sei se por ver de longe ou se por se ver maior... Mas é bom! :) Muito bom são teus textos!

Moçaaa, acho que voltei hahaha! Saudade neh? Vou ficar em dia no Twitter e no msn que fiz e sumi...

E tu, voltasse tbm?

Beijão!
Xu

Bill Falcão disse...

Bjo procê, Alice!

O Profeta disse...

Atravesso o céu em sonhos
Três aves do mar, três raios de sol, três punhais
Seguem-me apontados à solidão
Ah este vento que sopra nos brandais


Vem partilhar comigo uma história real



Mágico beijo

minicontosperversos disse...

tem coisa melhor pra fazer em cima da mesa sim!!!!

Jhennifer Cavassola disse...

Amo o jeito que vc conta a história, parece que não foi contigo sei lá. Vc envolve a gente, imagino acontecendo comigo rsss.

Beijos linda, fica com Deus!!

Ahh que a Mirna seja bem vinda.

vida cotidiana disse...

Fiquei encantada com a forma que você escreve, te encontrei andando por ai, mas vou voltar, bjs

Aline Dias disse...

Taynar, hoje notei o quão cativante é tua foto no perfil do blog, muito bonita, sincera.

Ah, mais alguns minutos, as classes de français sempre podem esperar.
;@

Tyr Quentalë disse...

Viver intensamente, na correria contra o tempo, eis que surge a lebre em seu relógio para lembrar-me de que o tempo, nefasto tempo, corre contra mim, então torno-me a lebre, correndo pelas ruas, trilhas o que quer que seja, entrando em tocas para cortar o caminho e encontrar não a Alice ou a Rainha de copas, mas um Cigano que balança sua cabeça e diz, já não era sem tempo!

Mariana Valente disse...

Nossa, como vc escreve bem... Fiquei encantada, juro!

Desculpa pelo comentario relampago, as coisas tão meio atropeladas aqui...

bisous :)

Não Somos Apenas Rostinhos Bonitos disse...

Queremos mais posts...rs!

João Pereira disse...

Está a chegar o inverno a Portugal, e, aqui na serra, o frio não mata mas mói. Quando é para levantar o corpo fica pesado, e o som da chuva a cair é música para voltar a adormecer. O telemóvel pode tocar agora, e daqui a 5 minutos, e depois 5 minutos mais tarde. Mas na verdade só me levanto 5 minutos antes da hora em que já estou atrasado.
Vício terrivel.