sábado, 26 de março de 2011

There's a ghost in my mouth

Eu nunca me achei uma pessoa literal demais. Até tu chegares.
Ao meu ver, só o papo do 'está subentendido' é que é meio complexo.
Não dizer as coisas claramente é uma coisa melindrosa.
Tu não disseste que sim, mas tampouco disseste não, então vou subentender o que eu quiser?
É muito estranho esperar que as pessoas vejam as coisas pelos teus olhos.
Talvez seja burrice, ou então sei lá o quê.
Mas enquanto as coisas não forem ditas, tudo fica naquele limbo do que 'poderia-ter-sido-e-não-foi', e isso é difícil.
Não dizer, não decidir, não fincar a tua palavra numa pedra causa muita controvérsia.
Ou então a gente só espera que ainda exista alguma brecha em algum lugar.
Talvez não querer subentender signifique que existe algo pra subentender que não estamos vendo. Que ainda, depois de tudo, exista alguma coisa. A felicidade, desesperadamente, no melhor sentido da coisa.
No fundo, é só mais uma maneira de acreditar que tudo poderia ser diferente. Que tem um sentido pra toda essa falta que faz a pele.
Maybe, maybe...


* Sim, eu existo, eventualmente... ;)

4 comentários:

Renan Mendes disse...

"É muito estranho esperar que as pessoas vejam as coisas pelos teus olhos."

É, é estranho.

Geraldo Pinho disse...

:+)

Jhennifer Cavassola disse...

Me fez lembrar a música Ultraviolet do U2. Não sei porque, mas acredito que as suas palavras acordar algo dentro de mim e que tem a ver com a música. Olha eu falando coisas subliminares kkkkkkkk

Saudades de ti, como estão as coisas? Felicidades, beijos

@Lufe_salgado disse...

Garota Verbo (alguém ainda lhe chama assim!?!?):

Alguns anos atrás (em tempo 'internético') tinha um blog, nos visitávamos e conversávamos. Agora deu saudade e resolvi voltar pra brincadeira....será que vc consegue descobrir quem eu era - ou quem eu sou rsrsrssrsrs

Beijos e abraços

http://eumesmoemaisninguem.wordpress.com/