quinta-feira, 11 de setembro de 2008

We're after the same rainbows end

Hoje acordei meio triste.
Na verdade, não foi só hoje.
Já me sinto assim tem uns dois dias.
Motivo? Existe.
Eu queria ser mais baunilha. Explico.
Queria aceitar as coisas que as pessoas dizem ser as 'certas': aceitar um cara mediano, que gosta de mim e quer casar comigo, mas pelo qual não sou apaixonada; aceitar um emprego mediano, em que ganho satisfatoriamente bem, mas que não satisfaz pessoalmente; fingir que estou sempre bem, quando na verdade, tô afim de sair gritando por aí.

Vejam bem, eu sempre fui a questionadora. A que não aceita qualquer coisa. A que luta sempre pelo melhor.
E, às vezes, questionar, ser sempre do contra, é foda.
Cansa. Às vezes, tu só queres te sentir feliz com as coisas que vem.

Queria poder aceitar as coisas que as pessoas normais aceitam, e antes de tudo, queria ser feliz com essa decisão.
Fico pensando nas coisas que deixei passar...
Eu sei que não me fariam feliz, eu sei que, cedo ou tarde, eu ia ficar doida se me obrigasse a conviver com certas coisas, mas, às vezes, dá vontade de só ser como todo mundo.

Meu pai sempre me ensinou que na vida tudo tem que ter paixão. Ela move o mundo.
Nessas horas, queria ser menos filha do meu pai, e aprender aceitar as coisas medianas.
Queria ser mais baunilha.

De modo que hoje eu estou assim.

20 comentários:

canseidexuxu disse...

Que texto interessante...

Te entendo perfeitamente. Também não aceito o mais ou menos, fico me consumindo com coisas que todo mundo considera normal... e é fogo! Porque tem dias, como o teu, que a gente só queria ser xuxu, baunilha, hehehe. Aceitar aquela vida morna, com objetivos mais ou menos.

Mas eu ainda não desisti! Acho que a paixão ainda vale! Sofremos agora, mas a hora que acharmos nosso lugar, vai compensar todo o desconforto de antes.

Teu pai sabe das coisas. :)

Beijos!
Xu

canseidexuxu disse...

Com certeza... Seria tão mais fácil...

Olha, namorei 7 anos com um cara que era "perfeito". Todo mundo adorava ele, minha família então... Mas eu não era feliz! Fiquei me sufocando durante anos para conseguir admitir que aquilo era bom, mas não era tudo! Imagina meu desespero? E se não existisse outra pessoa assim legal?

Foi sofrido mas hoje estou tão realizada com meu namorido, ele é tão surpreendente e carinhoso, que me orgulho da decisão (maluca, de acordo com TODO mundo) que tomei.

Só que com o atual, eu não comecei apaixonaaaada. Foi crescendo gradualmente.

Resumindo, acho que é melhor deixar as coisas acontecerem, sem forçar. Se o cara é tudo, mas falta sal, não te força... As vezes é o momento errado. Mas vale esperar pra ter certeza do que se ver em um relacionamento morno.

E fica tranquila que daqui a pouco o sol aparece! :)

Beijo moça :D

Jhennifer Cavassola disse...

Oi Taynar!
Hum lendo seu texto me veio na cabeça os momentos que eu me senti assim.
Dia 4 de setembro foi meu niver, acredita que chorei o dia todo? Pois é... me vi usando mascara a vida toda, me vi uma pessoa que não sou. Grito dizendo que sou feliz, que aceito as coisas do jeito que são, mas na verdade pra isso acontecer tenho que passar por muitas confusões na minha cabeça. Sinto-me presa dento da minha propria ansia de liberdade.
Eu também sempre fui muito questionadora...
Ah devo estar postando esses dias sobre normose. Não sei se vc já viu esse texto.
Sr normal não é tão bom assim. Pense nisso.

Fica bem tá?
Isso deve ser um tpmzinha, né?

rsss


beijos, fica com Deus

Jhennifer Cavassola disse...

Ahh já passei por isso que a xuxu falou. E quando o namoro terminou, a única pessoa que perguntou se eu estava bem, foi minha mãe. E o resto, todos me apedrejavam, queriam saber como deixei um cara tão legal. Poww que mania que as pessoas tem de ditar o certo e o errado na vida das pessoas.

Tenho um texto que acho que vc vai amar: http://mulherdiferente.blogspot.com/2008/08/voc-est-erroneamente-certo.html

beijos

Eliana Mara disse...

Taynar,

dá pra usar como camiseta???
Descreve bem o que eu sinto as vezes:
então, também quero ser mais baunilha...


beijinhos

Camila Colossi disse...

éeh gosteei xd
tipo amore se abra sempre akie
é bom pra vc xD

Bill Falcão disse...

Ah, também é jornalista? Entendi.
Teu pai tá certo. Certíssimo!
Bjooooooo!!!!!!!

João Pereira disse...

Coimbra! :)

Bem, o que é que aconteceu há 7 anos?!?! Há 7 anos a trás era dia 11 de Setembro de 2001! Pois... assim derrepente não me estou a lembrar de nada. ;) hehe

A paixão move o mundo, e questionar as "verdades" faz haver paixão!

carolbiasucci disse...

acho que eu prefiro mandar todo mundo se lascar e jamais ser baunilha.. sinceramente.

João Pereira disse...

humm... Então se vieres até ao Porto pode ser que ainda te possa mostrar um pouco de Portugal!:)

Bem eu pensei que era um filme ( e continuo a achar)! Mas tu estás mais certa, era mesmo o fim do Mundo, pelo menos para três mil pessoas...

Homem do Cafezinho disse...

Querida Taynar, não se sinta assim...."A diferença entre um pedregulho e uma montanha é a falta de ambição do primeiro!"

E quanto à vontade se se sentir baunilha, ná....eu prefiro canela!!!!

Beijos

Joana disse...

Melhor mesmo é ser pimenta!

Joana disse...

E baunilha enjoa... menina

Cassius Vallim... disse...

É da natureza humana querer sempre mais... Mas algumas pessoas conseguem contornar isso melhor do que outras... ou desencanam e dão valores para coisas mais simples...

Eu, pessoalmente, gosto de quem corre atrás da bola... apesar de gostar das coisas simples rs... Vai entender...

Bom final de semana...
Bejos...

Flavinha disse...

Eu não era questionadora - até chegar na idade que vc tem hoje. Foi quando algumas coisas começaram a perder o sentido (ou enxerguei que elas, na real, nunca tiveram sentido nenhum). E aí aprendi onde ficava o tal botãozinho do f***-se, e acredite, usei bastante. E vi que também não era por aí. E então percebi que a gente não precisa ser baunilha nem pimenta, mas apenas saber dosar os temperos - porque só assim a receita não desanda.

Seja o que vc é, moça. A vida vai continuar te mandando provas de fogo. E fogo a gente não mata no peito, tem que saber driblar ;)

Beijão!

Aline T.H. disse...

Não gosto de baunilha - ou bege, que pra mim tem o mesmo sentido. Sou vermelha até dizer chega... E quero nada menos que o pote de ouro, sim. A gente caminha e sofre, merece recompensa por não ser bege. Ou baunilha...

Muito bom o post! Aliás, adorei seu blog!

Beijo!

minicontosperversos disse...

eu queria fazer aniversário três vezes por ano; e mudar de idade uma vez a cada três anos

iara disse...

olha ser baunilha definitivamente não é comigo, por várias razões...rs
sim, ser do contra cansa. a maioria das pessoas não entendem a gente mesmo, e tô nem aí liguei a tecla f.. faz um certo tempo.
mentira às vezes arejeição dói um pouco, a incompreensão. porém não troco nada no mundo peal sensação de ser eu mesma! essa par mim é amaior liberdade que existe!
bjão

Letícia Santos disse...

Taynar, acho que você assistiu as horas, certo? A personagam da Julliane Moore aceitou ser mais baunilha e deu no que deu. As vezes da vontade, mas para mulheres inteligentes seria um inferno (eu tentei ser cor de rosa choque com dourado e não funcionou. Quando me toquei do que estava tentando fazer, caí num choro tremendo). Não muda sua cor não fófi...

Gustavo disse...

ahhh, entendi o que é baunilha :)